14/01 – Estágio 12 – Río Cuarto > Buenos Aires

Motos, Quadris, UTVs, Carros e Caminhões
Especial: 64 km
Total: 786 km

Tempo para heróis

Eles assumiram a aventura e agora se tornarão heróis. Os 64 quilômetros finais deste especial não representarão um problema … você só tem que cobrir a distância, antes de desfrutar da chegada direto no coração do bivouac. No final de uma longa seção de ligação, a cerimônia do pódio em Buenos Aires será realizada em frente ao Clube do Automóvel da Argentina (ACA).

O dia

Chegar é uma vitória, vencer é uma consagração.

“Acabou!!! A edição 2017 do Rally Dakar chegou ao fim nesse sábado, edição que prometia ser uma das mais difíceis da história do Dakar, foi castigada pelas chuvas e com ela o cancelamento de dois dias de provas, além de inúmeros km de outras especiais. Entre as especiais canceladas, esteve a Super Belém, que com certeza seria a mais difícil dessa edição, o cancelamento dela, tem significado similar ao cancelamento da especial do Jalapão no Rally dos Sertões. Outro ponto importante foi que a umidade das chuvas deixaram sempre as areias mais duras e consequentemente mais fáceis de transpor. Tudo isso não significa que o rali foi fácil, mesmo porque os trechos enlameados também foram muito decisivos, mas que poderia ter sido mais difícil, poderia sim.” Youssef Haddad

Nas motos

Entre as motos Sunderland confirmou sua primeira vitória no Dakar e de cara manteve o domínio da KTM na categoria. O Brasileiro Richard Fliter cumpriu seu objetivo e completou o Dakar, em 74* lugar, para um piloto amador, nas motos, com equipe própria e sem patrocinadores, completar seu primeiro Dakar tem um valor enorme e deve muito ser comemorado.

Nos carros

Independente de como foi a prova, ela foi igual para todos e quem confirmou o título, ou melhor seu décimo terceiro título de Dakar, o sétimo entre os carros, foi Peterhansel, o Mr. Dakar, ao lado de seu excelente navegador Jean Paul Cottret, o segundo título consecutivo com a equipe Peugeot e seus fantásticos 4×2. Em segundo lugar os companheiros de equipe Seb Loeb e Daniel Elena, dupla multicampeã no WRC, que em sua segunda participação no Dakar, lutaram de igual pra igual com as maiores lendas do Cross Country.

“Tenho que fazer minhas ressalvas a Daniel Elena, navegador que com tão pouca experiência, deu um show nos roteiros, em prova marcada pelos erros de navegação da maioria dos competidores, fruto principalmente das mudanças nas regras dos waypoints”, comenta Youssef.

O top 5 foi completo pelas duplas, Despres e Castera fechando o trio da Peugeot, Nani Roma e Bravo da Toyota, assim como De Villiers e Von Zit.

Os brasileiros Sylvio de Barros e Rafael Capoani, fecham o Dakar em décimo oitavo lugar, independente da colocação, o fato de terem completado o rali foi excelente, considerando a pouca experiência do Sylvio nos carros e principalmente a decisão de participarem do rali encima da hora, o que os privou de qualquer preparação especial. Estarem na equipe Mini, com os carros mais confiáveis do grid, contribui muito para o resultado final da prova.

Nos UTVs

Agora nos UTVs, tem Campeão!!!

Tem Brasil pela primeira vez no topo do Rally Dakar, Leandro Torres e Lourival Roldan são os primeiros vencedores da nova categoria do Dakar. Ano passado já fizeram uma excelente prova, porém os UTVs corriam na mesma categoria dos carros, esse ano com uma categoria exclusiva, 8 UTVs disputaram o título e ele vem para o Brasil. Leandro é um exemplo de piloto amador, sabe muito bem equilibrar a diversão com a competitividade, tendo muito foco e inteligência, Lourival é super experiente, um profissional do rali é merecedor desse título.

Acho que é isso, gostaria de estar lá correndo, mas esse ano tive que ficar ausente, de molho me recuperando de uma cirurgia. Tentei com minhas crônicas dividir um pouco da minha experiência e passar as informações de forma mais técnica e informal. Isso de certa forma me faz sentir parte do Dakar, mesmo não estando lá. Sempre dizemos que quando termina uma edição, se inicia a preparação para a próxima, então borá nos preparar, pois ano que vem quero fazer parte das crônicas e não ser quem as conta.

Valeu, Dakar 2017

Youssef Haddad.