A 30ª edição da Baja Portalegre vai ficar para a história da prova e da modalidade. Ricardo Porém conseguiu a terceira vitória consecutiva. A juntar a esta marca Nuno Matos e Filipe Serra, ambos de Portalegre, sagraram-se campeões nacionais do Cross Country após um intenso duelo com João Ramos/Vítor Jesus.

Sem pensar em campeonatos, Ricardo Porém apresentou-se na cidade do Alto Alentejo com um único objetivo. O piloto de Leiria, acompanhado pelo co-piloto portalegrense Filipe Palmeiro, procurava a vitória na prova e demonstrou-o desde o início. Depois de obter o mesmo tempo que Miguel Barbosa no prólogo, venceu SS2 e acabou o primeiro dia na frente da competição. Na manhã de hoje voltou a ser o mais rápido. A margem conquistada permitiu-lhe gerir durante a tarde para voltar a subir ao lugar mais alto do pódio, com quase 4m52s de vantagem sobre Xavier Pons.

“É fantástico. Estou muito muito feliz. Não tenho palavras. 30ª edição, a minha terceira vitória consecutiva. Já fiz história nesta prova. Quero dar os parabéns ao público maravilhoso, à organização fantástica e a todos os meus adversários que deram muita luta. Este carro não tem asas mas nós, às vezes, fazemos para que tenha”, afirmou Porém.

Com a questão da vitória na 30ª Baja Portalegre 500 resolvida, as atenções viraram-se para o duelo entre Nuno Matos e João Ramos. Quem ficasse à frente sagrava-se campeão nacional. Para qualquer um seria um feito inédito. O portuense superou o rival alentejano durante o dia de ontem mas a história nesta última etapa foi diferente. Matos recuperou tempo em SS3 e à tarde bateu o adversário para conquistar o título.

Foi uma final dramática. Ramos perdeu tempo a partir de meio de SS4, sem direção hidráulica na Hilux. A isso somou-se um furo no pneu já quase no final. Nuno Matos também não esteve imune a problemas e teve que completar a prova e chegar até o parque fechado com um furo no seu Opel Mokka Proto. Assegurado o campeonato, Matos não escondeu a felicidade.

“Foi fantástico! Foi um sonho concretizado numa prova espectacular. O título disputado ao segundo. Ganhar em Portalegre, na minha 20ª participação, no meu décimo campeonato e na última prova é inpexplicável. Quero dar os parabéns ao João. Se o campeonato lhe fosse entregue também não estaria mal porque o campeonato foi fantástico. Foi uma época fabulosa. O Miguel Barbosa também foi um grande adversário. Formamos um trio extremamente competitivo”, sublinhou Nuno Matos que completou o pódio absoluto.

.

.

Já os brasileiros, líderes do Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country, Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, chegaram a liderar no primeiro dia do Baja Portalegre, mas o conhecimento do terreno pelos portugueses prevaleceu, e terminaram na quinta posição. Como participaram apenas da abertura do Campeonato Mundial de Rally Cross Country, na Rússia, e desta nona e última etapa do certame, em Portugal, Varela e Gugelmin encerraram a temporada na 26ª posição.

“Não dá para acompanhar os portugueses aqui, conhecem tudo deste terreno. Foi um rally bem difícil, muito travado, com pedra pra tudo quanto é lado. No primeiro dia tivemos um pneu furado e hoje (sábado), muitas vezes pensamos que íamos parar com pneu furado. De qualquer maneira foi uma bela prova e o carro terminou inteiro”, comentou Varela, que foi campeão mundial em 2001, e em 2012 conquistou outro mundial, desta vez com Gugelmin ao seu lado, quando também venceram esta prova de Portugal.

O Baja Portalegre começou na sexta-feira com realização do Prólogo de 5,62 km nas Coutadas (Portalegre), quando Reinaldo Varela foi o terceiro mais rápido entre os 58 concorrentes com picapes. Em seguida aconteceu em Ponte de Sôr, a Especial 2 com 83,94 km, quando os brasileiros lideraram a primeira parte, para terminaram este primeiro dia na oitava colocação, em virtude de um pneu furado. “Vínhamos liderando com boa vantagem, cerca de seis segundos de vantagem, quando no km 45 furou o pneu traseiro direito, logo antes de uma curva para a esquerda. Ainda demos uma rodada e batemos levemente num barranco. Tivemos que manobrar, trocar o pneu e retomar e por isto perdemos pouco mais de três minutos”, contou o navegador Gustavo Gugelmin.

No sábado a competição ocupou o dia inteiro, com os concorrentes disputando mais duas Especiais cronometradas. A primeira de 171,47 km, em Alter do Chão viu a dupla de São Paulo e Santa Catarina terminar em terceiro. A segunda, na vila do Crato, com mais 211,94 km de trechos cronometrados, apresentou Varela e Gugelmin no quinto posto. Com a somatória de tempos os brasileiros fecharam o Baja Portalegre 500 na quinta posição.

Agora Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin vão defender a liderança no Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country, que terá continuidade nos dias 5 e 6 de novembro, em São Manuel (SP), com a realização do 10º Rally Rota Sudeste..

.

Confira o resultado final do Baja Portalegre 500:

1) Ricardo Porém/Filipe Palmeiro (Portugal), 5h38min16s;
2) Xavier Pons (Espanha)/Ruben Garcia (Argentina), a 4min52s;
3) Nuno Matos/Filipe Serra (Portugal), a 5min33s;
4) Alejandro Martins/José Marques (Portugal), a 6min16s;
5) Reinaldo Varela/Gustavo Gugelmin (Brasil), a 8min29s;
6) João Ramos/Vitor Jesus (Portugal), a 8min51s;
7) Boris Gadasin/Dmitry Pavlov (Rússia), a 17min49s;
8) Miguel campos/Mário Castro (Portugal), a 21min31s;
9) Andrey Novikov/Vladimir Novikov, a 23min23s;
10) Sylvio Barros/Rafael Capoani (Brasil), a 24min32s;

17) Marcos Moraes/Fábio Pedroso (Brasil), a 59min59s.

.

Fique com as belas imagens do último dia do rally tiradas pelo Sanderson Pereira.