Não há ressaca no acampamento de Dakar! As comemorações do Ano Novo foram claramente silenciosa, pelo menos para os competidores que permaneceram na Base Aérea de Ñu Guazú, que hospedou as equipes do Dakar nos últimos três dias. E hoje começa oficialmente o rally.

A cidade de Assunção, no Paraguai, é palco da mais tradicional prova de rali do mundo logo no primeiro dia do ano. O Rally Dakar chega à edição de 2017 com um total de 525 competidores, que disputarão entre si por 318 veículos dentre (144) motos, (37) quadriciclos, (10) UTVs, (87) carros e (50) caminhões.

A prova terá duração de 14 dias, com início na capital paraguaia. O percurso irá passar ainda pela Bolívia e será finalizado em Buenos Aires, capital da Argentina, totalizando um traçado de 8.818 quilômetros, sendo 4.089 deles em trechos cronometrados.

Como já falamos aqui, dentre os competidores de 60 nacionalidades diferentes, oito brasileiros estão nas cinco categorias: a dupla Leandro Torres e Lourival Roldan, nos UTVs; Gregório Caselani, Richard Filter e Ricardo Martins, nas motocicletas; Marcelo Martins, nos quadriciclos; e de última hora, a dupla Sylvio de Barros e Rafael Capoani nos carros.

A competição deste ano, que chega à 37ª edição, promete ser uma das mais difícil da história, na avaliação de Étienne Lavigne, diretor do Dakar. Isso porque o percurso terá oscilações de temperatura entre 40ºC e trechos abaixo de zero, além de altitudes que irão variar do nível do mar a até 5 mil metros.

“Hoje é dia de largada promocional no Rally Dakar, momento em que os competidores vão saudar o público, expor seus patrocinadores e levantar suas bandeiras. Depois disso os veículos retornam para o parque fechado e amanhã partem direto para a primeira especial.  Até hoje todos são ídolos, famosos, estão com roupas limpas e barbas feitas. A partir de amanhã os semblantes começarão a mudar, os ponteiros permaneceram sorrindo, outros já darão adeus logo do primeiro dia. Pois o Dakar é assim, não perdoa, se não completar um dia, está fora. O Dakar é desafiador, ingrato e nem sempre justo. Talvez por isso mesmo o Dakar é esse mito, o maior desafio sobre rodas do mundo. Só quem lá esteve, sabe o que estou falando!!!!” comenta Youssef Haddad.