Na motos, três pilotos da Bianchini Rally subiram ao pódio: Elias Folly (3º Production Aberta), Luiz Fernando Nutti (3º Over45) e Neto Malassisse (4º Marathon)

Após 3.607 quilômetros e passar por Goiás, Bahia, Piauí e Ceará, terminou no último sábado (25), o 26º Rally dos Sertões. Uma das edições mais duras e completas, pela diversidades de terreno e ao roteiro que exigiu muito das máquinas e dos competidores. A Bianchini Rally cruzou a rampa de chegada com dever cumprido, na capital cearense, com um UTV e cinco motos. Três pilotos de motos da equipe subiram ao pódio: Elias Folly #33 (KTM 450 EXC) ficou em 4º na Super Production, Luiz Fernando Nutti #37 (KTM 450 EXC) em 3º na Over 45 e  Neto Malassise #59 (KTM 450 EXC-F) em 4º na Marathon.

A dupla Fabrício Bianchini/Adhemar Pereira “Índio” #230 (Can-Am Maverick X3) completou o primeiro Rally dos Sertões nos UTVs, após fazer uma prova limpa de ponta a ponta, em 12º na Pró Turbo. “Foi incrível pilotar um UTV pela primeira vez, é seguro, rápido, resistente e, o melhor, passa ileso por alguns obstáculos. O rali foi demais, difícil na medida certa e alcançamos nosso objetivo que era completar todas as sete etapas, além o que Índio e eu nos divertimos muito”, conta Bianchini, que está em sua 24ª participação. “A gente espera um ano para vir para o Sertões e, daí resolvemos deixar as motos descansando e vir de UTV e foi uma experiência sensacional. Fabrício e eu somos amigos há anos e, pela primeira vez, formamos uma dupla e foi minha estreia como navegador. Agora, só quero competir de UTV e deixar a moto para lazer e diversão”, afirma o cearense que foi recebido pela esposa e filho na rampa de chegada na Praia de Iracema. Índio é de Fortaleza e comemorou também o retorno da prova à sua cidade.

Dos seis pilotos da equipe que iniciaram a prova em Goiânia, cinco completaram, sendo que três subiram ao pódio: dois paranaenses e um paulista. O que teve melhor desempenho do grupo foi Folly que retornou ao grid, após 10 anos, em grande estilo. “A última etapa foi difícil, vim devagar para não quebrar e nem me machucar, mas acabei dando uma escapada no pé do pedal e torci o joelho. No final, o importante é que cheguei e fiz uma boa prova. Terminar o final desta edição dura e prazerosa com pódio não tem preço”, diz o piloto de Londrina/PR que, além da 3ª posição na Production Aberta foi o 6º mais rápido da geral.

Também teve um desempenho positivo e completou toda as etapas Nutti, que fechou sua 10ª participação em 3º a Over 45. “Foi um presente subir ao pódio nesta edição e também fazer parte de uma equipe como a Bianchini que abraça a todos como uma grande família”, destaca o piloto paulista. Em seu primeiro Rally dos Sertões, o estreante Malassise terminou em 4º na Marathon e 16º na geral. “Estou muito feliz por ter conquistado esse resultado. É emocionante  subir ao pódio e, agora, entendo quando dizem que terminar o Sertões já é uma vitória”, diz o paranense.

Mais dois pilotos estreantes no grid aprovaram o desafio desses sete dias. Dimas Barreira #52 (KTM EX 450) evoluiu a cada etapa e passou por superações. O piloto de Fortaleza completou a prova em 15º na Marathon. Já o goiano Diego Guper #51 (KTM EXC-F 450) sofreu uma luxação na clavícula logo na primeira etapa, saiu da prova mas continuou no apoio e retornou nas três últimas etapas: “Indescritível a sensação. Só tem guerreiro aqui e aprendi que este rali é sinônimo de resiliência também.” Josemar Ferro #44 (Kawasaki KLX 450) se machucou em uma queda e foi obrigado a abandonar o rali, quase na reta final.

Trajetória da equipe – A Bianchini Rally nasceu em 2005, quando Fabrício Bianchini decidiu montar a sua própria equipe em Barueri/SP. Dois anos depois, com patrocínio do Grupo Infinity Bio Energy, juntamente com o piloto Marcos Finato, desenvolveram as primeiras motos de rali movidas a álcool no Brasil. Pioneira com o projeto tornou-se a primeira equipe Carbon Free do grid. Entre 2007 e 2010 se chamou Infinity Rally Team e, a partir de 2012, passou a adotar o nome Bianchini Rally. Em 2007 e 2008 foi premiada como Melhor Equipe do Rally dos Sertões. Pela tradição e profissionalismo conquistados, o time trabalha com pilotos campeões do segmento Duas Rodas no Rally dos Sertões, Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country e Rally Baja. Entre as temporadas de 2013 e 2016, a equipe disputou com duas duplas a Mitsubishi Cup. Em 2016, Bianchini estreou no Rally dos Sertões como piloto nos carros, ao lado de Caio Santos, e terminou em sexto na geral. Além de competir nas motos (3º na geral no Brasileiro de Baja) em 2017, Bianchini encarou um novo desafio e estreou no Rally de Velocidade com um Peugeot 207 e garantiu pódio nas três provas que participou: Rally de Holambra, Rally de Erechim e Rally da Graciosa. Em abril de 2018, a dupla Bianchini/Damon Alencar foi Campeã do Rally RN1500 na Protótipos T1, com o T-REX.

Mais informações no site www.bianchinirally.com.br, no Facebook: @equipebianchinirally e Instagram:@bianchinirally

A Bianchini Rally conta com os apoios da SHIRO, Borilli, Óculos 100%, O Mundo de Maria, Bull Sertões Rally Team, Vedacit e Rede Petrolam.

Resultados Rally dos Sertões 2018 (Motos)

Produciton Aberta
10 #5 Tunico Maciel – 27h24min40
2º #12 Mario Marchori – 29h07min41
3º #33 Elias Folly – 29h22min18 (Bianchini Rally)
4º #7 – Luciano Gomes – 29h24min25
5º #47 Vitor Closs – 30h04min42

Over 45
1º #38 Osmar Shimosaka – 30h27min27
2º #50 Dimas Mattos – 31h34min45
3º #37 Luiz Fernando Nutti – 30h50min06 (Bianchini Rally)
4º #45 Julio SIlva – 43h21min03
5º #56 João Ferrari – 45h44min18

Marathon
1º #8 Tulio Malta – 29h14min14
2º #14 André Bezerra – 30h28min26
3º #43 Francine Rossi – 30h34min20
4º #59 Manoel Malassise – 31h10min55 (Bianchini Rally)
5º #5 André Cheron – 31h26min22

.

.

Informações divulgadas pela assessoria de imprensa.