No começo de Julho aconteceu o 2° Baja 500 Jalapão, onde 78 veículos entre motos, quadriciclos e UTVs largaram no sábado (2/7), de Palmas, desbravaram o Parque Nacional do Jalapão e passaram por Aparecida do Rio Negro, Lizarda e Ponte Alta. Pernoitaram na cidade de São Félix do Tocantins, depois da chegada na Praia do Alecrim e, no retorno a Palmas, completaram o trajeto de aproximadamente 900 quilômetros percorridos em dois dias de disputas, sendo 608,26 quilômetros de percurso cronometrado e 288,66 quilômetros de deslocamentos.

.

Conversamos com a Luana Buscaroli, que nos conta como foi sua primeira prova de Cross Country.

.

No início deste ano resolvemos comprar um UTV. Devido à questão de datas, o primeiro rally cross country que conseguiríamos fazer com o carrinho seria o Baja Jalapão 500, um dos rallys mais pesados do Brasil. Além disso, também teria outra categoria, o Rally Baja.

Como, além de tudo, o Jalapão é um dos lugares que sempre tivemos vontade de conhecer, então topamos o desafio e iríamos fazer os dois. Aí começaram os preparativos para a viagem…. que não terminamos até a largada.

No dia anterior à largada, chegamos em Palmas e de tarde fomos no local do evento carregar os waypoints no gps, planilha eletrônica no tablet e as 8 horas da noite começou o briefing. No primeiro dia aconteceria o Rally Baja e pontuaria também para o campeonato Cross Country, ou seja, teríamos placa mas não o trekking, assim como os que competiriam só baja.

Jantar! Marcar a planilha!! Cama!!!

No dia seguinte, encontro com a equipe para seguirmos para a largada. Pega rastro e controle, coloca balaclava, hans, capacete, cinto, camelback… faltando 2 min, alinhamos para a largada. Tudo ok.

Ai queeee: como faz para deixar a planilha no lugar certo?? (Nunca tinha usado o T15, estudei como funcionado, mas esqueci do detalhe do ajuste de trecho).

Comecei a mexer no tablet, não ia… 1 min para a largada…. Zerei o Totem… Continuei mexendo…. 30 segundos… Tinha conseguido mudar o trecho mas tinha passado… Largamos, me guiei pelo Totem e na primeira referência aferi, o T15 ajustou. Ufa… Foco e começamos o rally.

No fim do dia chegamos a São Felix do Tocantins após termos passado por rios, areal, terra, saído da trilha e ter se encontrado, ter tido problema com o rádio, com o camelback, o gps que caía… Cansados, empoeirados mas lavados por dentro. Uma delícia de prova!

No início da noite fomos para o briefing da prova do dia seguinte, que seria apenas o Cross Country, ou seja, nada de placas. Levar o gps para baixar a planilha e os waypoints. Organizar as coisas, marcar a planilha e “tibum” na cama.

Acordamos, pegamos tudo e fomos para a largada. Repetimos o ritual do dia anterior e largamos (sem sustos desta vez, hehehe). E não tinha placa, mas tinha entrada escondida, tinha radar, tinha buraco… Enfim, segundo dia bem mais desafiador que o primeiro. Diversão garantida e conseguimos terminar a prova mais desafiadora que fizemos até hoje!

Quando saíram os resultados, surpresa! 3° na categoria UTV Turbo no Baja e 3° na UTV Super Production no Cross Country!

.

Confiram o resultado da prova aqui.

.