Enfim esta semana aconteceu a prova da Mitsubishi Motorsports em uma das cidades mais quentes que sediam este maravilhoso evento de rally que tanto gostamos. Para fugir do frio que anda fazendo em São Paulo, muitos estavam ansiosos para tirar os casacos e poderem acelerar um pouco seus carros. Pra gente não foi diferente, só tirando a parte do frio que nós gostamos muito (o que a gente gosta mesmo é do vinho e fondue na verdade).

Mas a semana passada era de incertezas. Não tínhamos a convicção que iríamos para a prova ainda, nossa viatura estava em manutenção, mas graças à competência de quem estava cuidando dela, na sexta-feira estava tudo pronto para partir em direção desta terra quente que é São José do Rio Preto. O que estava faltando no nosso carro era carinho de acordo com o Glauber, um mecânico carinho, óleo carinho, peça carinha, estas coisas. 🙂

Carro pronto, pé na estrada! Saímos de São Paulo às 14h horas e, mesmo sem almoçar, tocamos praticamente direto até lá, a vontade de rever todos os amigos sempre é maior que a fome. Tá bom, uma paradinha pra comprar um salgado na padaria e vamos comendo no caminho. Chegamos por volta das 19h em um lugar já conhecido dos competidores, o Villa Conte, um lugar muito bonito diga-se de passagem. Como chegamos meio tarde, já ficamos direto para o Briefing do mestre Lourival Roldan e o recado foi bem claro: confiem no hodômetro e vai estar liso! Tivemos uma novidade importante nesta etapa, o pessoal não teve dificuldade em baixar a planilha eletrônica, conseguimos baixar na primeira tentativa sem problemas! 🙂

Depois dos recados do diretor de prova era hora de adesivar, calibrar, aferir, jantar, banho e cama! Às 8h01 em ponto o primeiro carro da graduados largou e nós, Léo e Pri, fomos o carro 49 e largamos 8:49.

Após um pequeno deslocamento, já iniciarmos a prova fazendo balaios nas estradas de terra batida e nas fazendas de cana-de-açúcar nos municípios de Bady Bassit e Cedral. A prova foi um misto de balaios e RPP (reto pela principal) o que a deixou bem dinâmica e com um ritmo bem rápido, com médias rápidas em estradas boas para se andar mais.

Encontramos muitas poças de lama o que deixou o carro bem sujinho, mas uma coisa muito legal nesta hora foi a tal da cristalização de vidros que o pessoal da Mirro´s Car fez no nosso carro antes da prova. É incrível, a lama batia no vidro e imediatamente ela se espalhava, limpador do para-brisa só para tirar o excesso mesmo… Achei formidável isso. Apesar do carro ter voltado muito sujo, foi só bater uma água que já limpou muito os faróis e todos os vidros para continuarmos com a viagem de volta, mas esta semana o carro voltou pro Lucas da Mirro´s fazer aquela lavagem completa novamente, inclusive por baixo do carro, que quase ninguém em São Paulo faz, então em um único lugar o carro volta como novo pra mim, e não preciso nem sair de casa, eles vem buscar e trazer de volta o carro. Fica a dica!

Voltando à prova, o rally continuou com um ritmo muito legal até chegar em um balaio no finalzinho da primeira prova onde a gente se desconcentrou e errou uma entrada. Ai foi hora de acelerar para recuperar o tempo perdido e terminar a primeira etapa. A segunda prova começou logo depois de um neutro de 3 minutos no final da primeira prova e foi mais tranquila, mas ainda sim com algumas entradas escondidas, curvas bem lisas e ainda mais lama, pois mesmo não tendo chovido nos últimos dias, as poças de lama continuavam lá dando uma emoção a mais para o trajeto.

O neutro de descanso aconteceu no meio da segunda prova com uma pausa para abastecimento. Após 10 minutos já fomos terminar a segunda etapa que continuou mesclando trechos com pequenos balaios e trechos com muitas mudanças de média, e nesta hora, em um balaio longo, eis que surge um carro 48 na retrovisor. Na hora a gente pensa: Ih, este ai errou! Mas como estávamos em uma velocidade relativamente baixa, foi tranquilo dar passagem para o competidor “perdido”, que continuou um pouco mais rápido que a gente e em 100 metros a frente, em vez de virar para a direita, entrou à esquerda, e o que passou pela minha cabeça novamente: Ih, deve ter errado outra vez. Bem, continuando nossa prova, entrando em um laço bem grande, depois de alguns minutos percebemos que voltamos na mesma estrada onde o “perdido” colou na nossa traseira, mas desta vez, fomos nós que colamos na traseira do carro 50. Ahhhh, pegadinha do Lourival!!! Ele fez isso para ver se as pessoas são solidárias e dão passagem uns para os outros. E no nosso caso, me aproximando na velocidade que na segunda passagem era bem maior que na primeira, bastou uma buzinadinha para o carro da frente que ele, como nós também fizemos, deu passagem e pudemos continuar a prova sem perder tempo. E realmente, na segunda volta tínhamos que virar para a esquerda mesmo, ou seja, o carro na nossa frente estava no tempo certo dele. Ah Lourival!!! Enganando a gente né? Foi boaaa esta.
Logo depois partimos para a terceira e última prova do dia e nesta levamos um susto. Diversos balaios durante o trajeto todo fizeram alguns competidores se perderem e atrasarem. Em um pequeno laço no final da prova, vimos o carro 48 atrasado, demos passagem e logo na frente, em vez de fazer uma esquerda e direita bem curtos, ele fez a esquerda e passou reto, indo em direção a rua que teríamos que sair no final do laço. Até buzinei para ver se ele voltava, mas ele não ouviu, então fizemos o balaio mas abri bastante a curva pois sabia que teria um carro na contra. Dito e feito! Quase batemos de frente, mas ainda bem que deu tempo de desviar cada um para um lado.

Foram mais de 6 horas de prova, mas que se passaram voando. Agora é hora da melhor parte do rally!!! Amigos e festa… a melhor parte do rally é a união desta galera toda, a família 4×4 que se formou ao longo das competições e que aumenta a cada etapa.

Antes da premiação rolou uma discussão, inclusive com recurso oficial por parte de alguns graduados, sobre uma tulipa que gerou dúvida. Era um local que deveríamos entrar a direita, porém cerca de 30 metros antes havia uma outra rua a direita que confundiu alguns competidores, mas quem prestou atenção no desenho da tulipa e no hodômetro  acertou.

Hora da premiação, ficamos muitos felizes em ver um casal muuuito foto, que buscava este resultado há um tempo, sendo anunciado como a dupla campeã da categoria turismo. Parabéns Gui e Lisi, vocês andam demais e mereciam este pódio. A dupla feminina eterna campeã, Sandra Dias e Minae Miyauti deram uma chance para o casal e ficaram em segundo lugar.

Na graduados o destaque foi para Paulo Goes e Jhonatan Ardigo, que depois de uma maré de azar, voltaram a rotina de primeiro lugar em grande estilo, com 3 primeiros lugares das provas do dia de hoje.

Queria destacar também, agora na categoria light, duas pessoas que pegaram gosto pelo rally e estão em todas agora, Sérgio e Adriana Maurano, que subiram no pódio pela primeira vez na Mit e já com um terceiro lugar. E pela terceira vez, em quatro etapas, o piloto campeão continua Reinaldo Rocha Lemos, que já sonha com a turismo ano que vem, e desta vez com seu navegador substituto, José Barreto. Parabéns à todos os competidores!

E nós ganhamos uma noite incrível, na melhor pizzaria da região, com o pessoal do rally em peso confraternizando e comemorando mais uma etapa!

d (1)

.

Os resultados podem ser encontrados aqui.

E na nossa página do facebook temos mais fotos!

.

Apoiadores2016

.

O post Saiba como foi a Mitsubishi Motorsports em São José do Rio Preto apareceu primeiro em Tulipa Rally.